Topo
TIJUCAS | Sexta Feira, 18 de Setembro de 2020
Loading
Topo Daqui Tijucas
Menu Daqui Tijucas Daqui Tijucas Notícias Impressa Contato

Notícias

07 de Agosto de 2020 - 18:48:19

Fala Especialista

Agosto, o mês dourado!
 
 
Fala Especialista

Pâmela Suelen Teixeira - Consultora de Amamentação 

 

(foto Fala Especialista – DIVULGAÇÃO) 

 

Agosto Dourado é o mês do incentivo à amamentação. Mas, antes de falar sobre esta campanha, é importante dizer que este texto não é somente sobre a minha experiência com a amamentação ou sobre mães que fizeram o aleitamento materno exclusivo. É sobre todas as mães! Então, você, mãe, que não amamentou por vários motivos e geralmente se sente incomodada com o tema, não pare por aqui. Esse texto servirá para você também, eu garanto! 

Toda mãe tem o direito de decidir de que forma amamentará o seu filho e por quanto tempo, sendo esta uma escolha consciente e pessoal. É importante nos tornamos protagonistas da nossa própria história.  O objetivo da campanha, ao promover o aleitamento materno, é mostrar os benefícios desta prática para a mãe e o bebê e expor a cultura do desmame que por décadas está inserida em nossas vidas.      

Segundo Pesquisa Global Lansinoh sobre Aleitamento Materno realizada com mães e mulheres grávidas, no Brasil, 98% das entrevistadas acreditam que amamentar é a melhor forma de nutrir um bebê. No entanto, a média de aleitamento exclusivo no país é de 54 dias. A OMS - Organização Mundial da Saúde e o Ministério da Saúde indicam o aleitamento materno exclusivo até os 6 meses, e após a introdução alimentar, aconselham no mínimo até 2 anos de idade.  O que acontece com essas mães depois que o filho nasce? Por que a maioria opta por desmamar tão cedo? Por que, mesmo querendo amamentar, a maioria das mães não conseguem? Essas eram perguntas que eu fazia a mim mesma sem parar!   

Toda vez que uma mulher grávida fala que quer amamentar, chovem histórias trágicas sobre o tema. Depois do nascimento, o bebê perde peso e nos primeiros dias o leite vem em um ritmo mais lento. Logo, o que se ouve é que a mãe não possui leite suficiente para o seu bebê. É comum ver mães sofrerem por uma pega errada do bebê na mama. A dor é considerada normal e a mulher que quer amamentar “aguenta” a dor e os machucados, acreditando ser normal.  

Deixa te contar um segredo (para que não seja mais um segredo): amamentar não dói e não machuca! A cultura do desmame é na verdade um grande equívoco coletivo que acontece porque a sociedade replica ideias distorcidas, que faz a mulher que acabou de se tornar mãe acreditar que amamentar dói e é sofrido, ao invés de passar adiante dicas que levariam ao sucesso desse processo e promoveriam o bem-estar da mãe e do bebê.  São tantas ideias negativas somadas à exaustão que um bebê recém-nascido provoca, que levam aquela mulher a perder a confiança em si, no seu corpo e no seu leite.  

Ao se dar por conta, já está com uma prescrição de fórmula láctea nas mãos (porque nenhuma mãe quer deixar seu filho passando fome). A fórmula láctea salva vidas, quando prescrita nas situações realmente necessárias. Mas atualmente é indicada além do necessário. A amamentação, mesmo sendo um processo fisiológico, precisa ser aprendida! Mãe e bebê estão aprendendo juntos este processo. Ao invés da prescrição da suplementação, é imprescindível que se “prescreva” paciência, muito contato pele a pele entre a mãe e o bebê e Ocitocina, o hormônio do amor.  

O apoio às mães precisa vir de profissionais comprometidos que as façam se sentirem seguras, e de uma rede de apoio dentro de suas casas. É mais do que necessário compartilhar informação positiva, histórias de sucesso, truques que ajudam. E é para isso que o Agosto Dourado foi criado.  

Eu acredito fielmente que uma mãe, quando sabe dos benefícios do leite materno para a vida do seu bebê, dificilmente irá escolher não amamentar. Geralmente o que nos falta é acolhimento, segurança e empoderamento. Para o sucesso da Amamentação antes de tudo é preciso envolvimento de todas as pessoas que acompanham essa mãe e este bebê.  Amamentação vai muito além de conseguir ou não, até porque a taxa de mulheres que apresentam problemas reais que as impedem de produzir leite é de 5%. O sucesso da amamentação é, acima de tudo, vencer todas essas barreiras, acreditar em si mesma e no vínculo com o seu bebê.

 

 

Envie um Comentário

 

Últimas Notícias

Hemosc faz apelo para mais doações de sangue
Justiça determina suspenção do aumento da energia elétrica
Retorno das aulas em SC será para reforço escolar
Fala Especialista
Grávida que foi assassinada morreu pela hemorragia
Rodapé Daqui Tijucas Daqui Tijucas Notícias Galerias Vídeos Impressa Contato
Rodapé Contato Contato AmpliWeb Google Plus YouTube